08 de Fevereiro de 2008

Esperava este filme com alguma ansiedade. Sabido que é o meu gosto pessoal, em filmes sobre o fim dos tempos, onde o homem realça todo o mal e principalmente todo o bem que há em si, Cloverfield viria como uma lufada de ar fresco. I Am Legend, já no natal tinha feito, menção a um filme apocalíptico, sobre o fim dos tempos e o recomeçar do zero. Era pelo menos esta a ideia com que ia para a sala de cinema.


Sabia que ia haver um monstro, mas optei por ter muito pouca informação acerca deste filme. Não me desiludi. Não o comparei a qualquer outro filme, mas é de facto difícil de não achar que o filme é uma fórmula, muito mas muito, feliz da famosa “Equação Aritmética” de Edgar Ascensão em Brain-Mixer. Seria portanto… Blair Witch + Godzilla + War of The Worlds = Cloverfield.

O filme tem o ritmo muito bem ditado. Tão depressa estamos tontos e a fugir juntamente com os protagonistas, como estamos em agonia, e sem saber o que está a acontecer na globalidade. A verdade é que por ser um filme de camera ao ombro, só temos acesso ao que os protagonistas vêm, sentem e ouvem. É de facto diferente da Guerra dos Mundos, onde temos a perspectiva de Tom Cruise, mas essa é dada de uma forma mais abrangente e geral. Aqui não. Vivemos os personagens e com eles vivemos uma fuga e um salvamento por amor em Manhattan (isto é a minha tentativa de homenagem que existe no filme à capa do “Escape from New York”). Sufocamos mais e sofremos mais com este filme, que está, como já referi, mais “estrangulador” que a Guerra dos Mundos.


Temos acção, aventura, mistério… excelentes efeitos visuais, o monstro é de facto surpreendente.  E temos uma história de amor.

Deve ser visto de preferência no cinema. É a minha grande escolha das primeiras semanas do ano. Ah, e meus amigos, não retirem o crédito devido ao realizador, J.J. Abrams não é o realizador… é Matt Reeves.


9/10


Para quem vê a série October Road... conhece esta rapariga!

publicado por Ricardo Fernandes às 17:52 link do post
tags: ,
08 de Fevereiro de 2008

Sendo difícil fazer pior que o primeiro, onde só faltou uma cena de sexo entre a actriz Sanaa Lathan e o Predador da história, a ânsia era alguma. A premissa e o trailer (que infelizmente fui obrigado a ver nas salas de cinema) prometiam muito.


Desiludir? Talvez, não será bem o termo, uma vez que de um filme feito, única e exclusivamente para ganhar dinheiro, não se pode esperar grande coisa, mas espera-se na mesma. Já sabíamos que ia existir uma mistura entre um Alien e um Predador. E sabíamos que iria ser numa cidade normal dos States. Sabíamos por isso que era uma batalha entre Predadores e Aliens numa cidade, não no espaço ou no futuro, mas nos dias de hoje.


O countdown do trailer acabou por dar a machadada final com um countdown da população desta pequena cidade. Se dividirmos o filme em 4 partes, podes afirmar que 2/4 foram bons e outros 2 foram ridículos. O facto de dividir em “quartos” serve apenas para demonstrar que o bom e o mau andam de mãos dadas neste filme.


Se termos um predador/alien no filme é importante, a verdade é que até ao final não damos por ele (final esse que é um atentado a qualquer fã de ambas as sagas). Não haveria, um meio melhor para trazer aliens para o filme? Teria de ser aquela absurdidade inventada às três pancadas, nunca antes vista na história dos mais mortíferos aliens da história do cinema (claro sem contar com o E.T.), estrangulando um argumento que de si, muito pouco já tinha a dar desde inicio?


Se forem fãs… vão ver. Há inúmeras cenas brilhantes e que fazem o coração do mais dedicado fã chorar de alegria, mas um aviso meus caros… há cenas que fazem chorar de terror e nunca mais irão olhar para um Predador da mesma forma. Enfim, pior pior só sendo um Predador Gay, ou com uma armadura da Hello Kitty.


5/10


Esta luta foi angustiante...

publicado por Ricardo Fernandes às 17:49 link do post
tags: ,
08 de Fevereiro de 2008

Quando soube deste filme, esperei-o mais que o embate entre Denzel e Russel Crowe. Por virtude de extrema coincidência a verdade é que Crowe também tem aqui mais um embate, desta feita com alguém não tão consagrado (mas nem por isso com menos talento), que é o novo e adorado Batman: Christian Bale.


Sabendo que não seria um western à antiga, esperei-o com alguma ansiedade e não sei se foi por me ter corrido mal o dia (ou não, sinceramente não me lembro se o dia me correu mal), mas embora tenha gostado, não me fascinou. Achei até o filme pobre.


Crowe, está elegante e a personagem assenta-lhe como se ela fosse a verdadeira essência e não o actor. Já Bale, talvez por se apresentar mais fraco e inválido do que estou habituado a ver, senti-o meio vazio e distante da personagem. Quem por outro lado me surpreende cada vez mais é Bem Foster. Este rapazito está a ficar um expert na matéria.


Visualmente impressionante e com uma história extremamente apelativa, a verdade é que fiquei um pouco indiferente a este novo épico. É a história de um pequeno rancheiro que concorda em transportar um perigoso criminoso, desde uma pequena cidade, para um comboio prisional. Como é obvio, e uma vez que estão juntos o tempo inteiro Crowe e Bale, conseguem brilhar nas telas. Mais Crowe que Bale e não me entendam mal. Bale não é, nem nunca poderá ser um grande actor, podia era… estar melhor!


Se calhar foi visto num mau dia, ou provavelmente não o entendi (também acontece), mas a verdade é que não lhe dou mais de 7 (e muito esticado) quando poderia ter tido um 9 ou um 10!


7/10


Bale Infelizmente... não no seu melhor!

publicado por Ricardo Fernandes às 17:46 link do post
tags: ,
08 de Fevereiro de 2008

"Para todos os que andaram a ressacar nos últimos meses com a ausência de uma revista de cinema nas bancas portuguesas, eis que surge uma alternativa moderna e actual de folhear uma revista de cinema... online, em bom Português. Com a presença de alguns vossos conhecidos da blogosfera nacional, como o Alvy Singer, o Brain-Mixer, a H. ou este vosso humilde servo, entre outros, eis que a Take lança o seu número 0, neste mês de Fevereiro, com alguns artigos que merecem especial destaque como o "Começar com o Pé Direito", que analisa algumas das mais marcantes obras de estreia de dez realizadores diferentes, a "Entrevista a André Nunes", actor da película de Luís Galvão Teles "Dot.Com" - que confessa, entre outras coisas, que Woody Allen é o seu realizador de eleição -, ou, por exemplo, o elaborado e engenhoso artigo sobre Mockumentários. A seguir com atenção, na primeira semana de cada mês, em http://take.com.pt .

Download PDF Nº0 Fevereiro - http://www.take.com.pt/pages/Take0Fev08.pdf"


In Cinema Notebook (espero que não te importes, mas falta-me tempo!)
publicado por Ricardo Fernandes às 16:34 link do post
tags:
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
22
23
24
25
26
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO