27 de Março de 2007

Ainda na DC, vocês sabem que embora Superman Returns tenha sido considerado um fracasso de bilheteiras, foi assinado um contracto para um segundo filme desta “nova” saga do herói, intitulado “Man Of Steel”. Bryan Singer irá continuar à frente do projecto. O único problema é que não está nada, mas mesmo nada, agendado para Bryan Singer, nos próximos 2/3 anos, que perspectivem um novo filme do Super.

O interessante foi os rumores de um filme sobre a Liga da Justiça. A ideia é fenomenal, mas cedo se falou que não seria possível fazer um bom filme com personagens com a magnitude de Super-Homem, Batman, Mulher Maravilha ou Flash, tudo no mesmo barco.

Os primeiros rumores apontavam até para um filme “spinoff” sem as grandes caras da LJ. Seria o mesmo que fazer um filme sobre os Vingadores da Marvel, mas sem o Capitão América, Homem de Ferro e o Thor. No entanto esta semana surgiu a notícia que Roth, Brandon Roth levará o papel do Super para esta Liga da Justiça. Óptima ideia, uma vez que a sequencia de “Superman Returns” não parece ter pernas para andar.

Ora, ontem li que não só Super-Homem entra no filme, como o próprio Batman e a Mulher Maravilha. O Batman não será o de Christian Bale… Talvez um semelhante a George Clooney (arrggh) mas não deixa de ser o Batman. Agora a Mulher Maravilha é que é mais estranho ainda. Com tanta controvérsia que existe em torno de quem será a actriz para o filme, que não tem argumento, director, nem nada, como é que estão a pensar anexar esta personagem a este filme especifico?

A avançar um filme deste tipo, terá de ser grandioso e com tanta personagem complexa… Duvido que resulte em algo fenomenal, mas ver para crer…


publicado por Ricardo Fernandes às 14:52 link do post
tags:
27 de Março de 2007

Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us
publicado por Ricardo Fernandes às 14:47 link do post
tags:
27 de Março de 2007

Para além dos dois posters que podem ver mais abaixo, a notícia do dia é a confirmação da voz de Megatron.

Peter Cullen, a voz de Optimus Prime original, vai continuar no mesmo papel que marcou a minha infância. Tudo apontava para que Frank Welker fizesse o mesmo para Megatron, mas… e tenham atenção meus amigos… a honra coube a nada mais nada menos que V! Ou Hugo Weaving para os amigos.

É já em Julho meus caros… é só esperar até Julho…

Ah! Já vos disse que quero aquele boneco outra vez (sim, já o tive quando tinha uns 8 anos)?

Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us Free Image Hosting at www.ImageShack.us
publicado por Ricardo Fernandes às 14:45 link do post
tags:
27 de Março de 2007

O ultimo episódio desta temporada de Smallville (que as más línguas dizem não ser a ultima) trás alguns SPOILERS interessantes. Após algumas aparições meteóricas de algumas vedetas da WWE, eis finalmente um pouco de história interessante.

 

Uma das notícias diz que no episódio “Phantom”, vai reaparecer (o tal que matou o Batista). Não se sabe mais nada, se vai revelar alguma coisa a Clark sobre o seu destino, mas suponho que sim.

A grande e excelente notícia é que um dos vilões mais “Cool” do universo DC (sem ser o Joker), vai entrar neste episódio: Bizarro!

Nas B.D.’s, o Bizarro original foi criado a partir de Superboy. Só mais tarde é que a DC refez a história e seria Lex Luthor a criar Bizarro, um clone defeituoso de Super-Homem, que era precisamente o contrário deste. Onde um entende Bem o outro entende Mal. Bizarro tem a Roupa do Super, mas com o S invertido e a sua pele é branca (no sentido CAL). Ora imaginando as fotos do filho de Lana Lang, aposto que Lex andou a fazer um clone do Clark… hmmm….

Outra notícia é que parece que a Lois vai levar uma facada. Vamos lá ver é se a série acorda para a vida.


publicado por Ricardo Fernandes às 14:39 link do post
tags:
26 de Março de 2007

Este não é um tema habitual neste blog, mas é um assunto importante e não pode passar despercebido. Não vi a votação de ontem na RTP para os Grandes Portugueses, soube esta manhã na ronda habitual pelos blogs que admiro, um post sobre o vencedor. O post embora nunca refira o nome de António Oliveira Salazar, é claro e não causa qualquer dúvida. O post podem vê-lo na íntegra em Cinema Notebook por Knoxville, cuja opinião é para mim importante e valiosa.

Não obstante, quando tudo apontava para que D. Afonso Henriques fosse o maior português de sempre, Salazar ganhou e deixou o país boquiaberto. Antes de avançar devo referir que não sou pró-Salazar. Não sou a favor da censura, adoro e vibro com a ideia da Liberdade, mas sou licenciado em História e como tal quero fazer-me crer, que consigo distanciar-me e analisar factos friamente.

Salazar chega pela primeira vez ao poder através do golpe de estado militar conhecido como o Golpe Militar de 28 de Maio em 1926, era então professor universitário de economia em Coimbra. Esteve 13 dias no cargo uma vez que considerou que não lhe deram as condições necessárias para efectuar o trabalho. Em 1928 retorna já com as condições que necessitava e em 1 ano obtêm superavit nas economias nacionais. Em 1932, após ter conseguido afastar todos os ministros militares torna-se chefe de estado e dá inicio à Ditadura Salazarista que durou cerca de 40 anos (Marcelo Caetano não é relevante aqui). Recuperou o balanço económico do país, evitou a entrada na IIª Grande Guerra, criou a PIDE, fundou o partido da União Nacional, torna a eleição presidencial dependente de um colégio eleitoral da confiança do seu regime, cria a Legião e a Mocidade Portuguesas.

Enquanto estivermos tão perto (40 anos não é assim tanto tempo), este país se irá sempre dividir entre o salvador e o tirano. Friamente, Salazar criou as bases para o rejuvenescimento económico e pela forma como o país estava financeira e politicamente foi imprescindível a sua acção de privar liberdades económicas e sociais. A PIDE foi o seu motor de censura e de afastamento de qualquer ameaça ao seu poder. Torturou, matou, prendeu toda e qualquer pessoa que considerasse perigosa à sua posição.

Agora vejamos, é ele diferente de um D. João II? É ele diferente de D. Afonso Henriques? Ou do Marquês de Pombal? Fez o necessário para manter o país. Foi cruel, foi Maquiavélico.

De qualquer forma eu vejo a eleição de Salazar como o maior dos Grandes Portugueses, não por ser quem foi, mas por uma razão que Marcelo Rebelo de Sousa tão bem especificou, mesmo antes de se saber quem seria o vencedor:

“Como os fenómenos culturais são lentos a mudar, há uma certa inércia que fica na cabeça das pessoas. Essa inércia diz o seguinte: foi um tempo em que não havia democracia, nem liberdade, mas havia estabilidade, autoridade e um viver modestamente, mas em equilíbrio económico e financeiro”, explica Marcelo Rebelo de Sousa. “E essa ideia que ficou tem o seu lastro que, de quando em vez, vem ao de cima, porque 40 anos são muito pouco na história de um povo.” In RTP

publicado por Ricardo Fernandes às 18:30 link do post
26 de Março de 2007

A magia que envolve a poesia e o facto desta ser tão cativante é pura e simplesmente a interpretação que cada um faz dela. Cada estrofe, cada verso pode e deve ser sentida de maneira diferente em cada um de nós. Quando esse sentimento mágico é transposto para o cinema, estamos perante uma obra de arte.

Estranhei o facto de um filme de aventura não estar espalhado por toda e qualquer sala de cinema, mas isso foi porque não era um filme de aventura. Pensei que seria mais um “Van Helsing”, mas graças a Deus, enganei-me redondamente. E fiquei extasiado, maravilhado, confuso com o filme que vi.

The Fountain é mais que uma história da busca pela vida eterna. É uma fábula sobre aceitar o destino, aceitar a morte. Existem 3 histórias neste filme. A de um Conquistador Espanhol, na demanda da arvore da vida bíblica em território inca; a história de um Cientista que procura a cura de uma doença maligna para a sua esposa e a uma história curiosa dentro de uma bolha onde o actor principal está com a árvore da vida a caminho do lugar dos mortos inca. As histórias não são mostradas em separado, são juntas e intercaladas entre si. A mescla é de tal forma que por vezes é confuso seguir o raciocínio de uma forma lógica. Confesso que não fiquei tão confuso ao vê-lo do que quando vi a Estrada Perdida de David Lynch, no entanto saí do filme algo desnorteado. A árvore da vida está presente nas 3 histórias (digo isto porque na história do cientista, a dada altura ele faz avanços para a cura deste cancro a partir de uma árvore da América do Sul), o aceitar a morte como parte natural da vida também.

Darren Aronofsky já tinha feito um filme extraordinário, com Requiem for a Dream, e este passa-lhe aos pontos. A clareza da realização é de facto fenomenal, os planos, os efeitos especiais, mesmo a mescla de imagens que unem e desdobram as várias epopeias do filme. Fiquei fã deste realizador e argumentista. Rachel Weisz, está a tornar-se um caso sério em Hollywood. É uma excelente actriz e finalmente, após já uma vasta carreira está a entrar em filmes de acordo com a sua… arte! Agora quem me surpreendeu foi Hugh Jackman. Ele é bom actor. Sempre gostei dele, mesmo em papéis menores sempre engrandeceu esses papéis. Aliás, não foi por acaso que falei em “Van Helsing”, se o filme é interessante (para além da Kate Beckinsale e do fabuloso Richard Roxburgh como Drácula) é por causa dele. “The Prestige” já foi um novo caminho que Jackman trilhou à altura. Este foi mais um papel fenomenal.

Este é um filme que não é para qualquer um. Algumas pessoas na sala de cinema, saíram do filme a expressar barbaridades, mas lá está… o filme obriga a pensar e nem toda a gente gosta de o fazer.

9/10

publicado por Ricardo Fernandes às 14:41 link do post
tags: ,
19 de Março de 2007

Já com Sin City alguém tinha feito algo semelhante. Tudo em que Frank Miller toca, não pode fugir muito ao original. Aqui está a mesma vertente em BD.


publicado por Ricardo Fernandes às 11:19 link do post
tags:
15 de Março de 2007

Isto é o que dá quando se junta um historiador a cinema… Começamos a busca do Santo Graal do cinema e encontramos as mais antigas relíquias. Eu sempre fui mais na onda de Indiana Jones, mais acção que pesquisa. Mas tenho de admitir que me deu um certo gozo fazer a pesquisa para o “Allo! Allo”. As palavras de incentivo ajudaram e comecei logo a magicar sobre qual seria a próxima série.

 

Assim sendo, o que é que anda a fazer a malta de “Parker Lewis Can’t Loose”? Creio que toda a gente viu esta série na TVI, ou há pouco tempo na extinta Sic Comédia. “Sincronize Swatches” era a frase mais ouvida nos corredores do meu Liceu! Era uma série como todas as outras de adolescentes, sobre amor e aventura. A série dispensa apresentações e por isso vou passar já a ver o que os doidos andam a fazer.

  

Parker Lewis – A vedeta da série chama-se na realidade Corin Nemec. É dos poucos que continuo activo, mas sem o destaque que obteve como Parker Lewis. A ultima vez que eu o vi foi num episódio de Smallville, mas tem andado ocupado pelo Stargate, CSI e vários filmes. Nunca, lá está, num lugar de destaque.

  

Mikey Randall – De nome verdadeiro, Billy Jayne, teve o seu sucesso maioritariamente antes de “Parker Lewis Can’t Loose”. Entrou em séries como A-Team, 21 Jump Street e alguns filmes para adolescentes. Depois de “Parker” esteve bastante parado, fazendo papéis secundários por 1 ou 2 episódios em séries como “Walker, o Ranger do Texas”, ou “Charmed”. Na presente década não tem qualquer papel.

 

Jerry Steiner – O “geek” à la McGyver de nome Troy W. Slaten, teve um percurso semelhante a Mikey. Fez algumas antes e fez algumas coisas depois. Nada de especial. O último papel data de 1999.

   

Larry Kubiak – Provavelmente, Abraham Benrubi, foi quem teve e tem mais sucesso. Esteve imensos anos na série E.R. e a sua carreira continua em crescendo. É certo que não é um actor de topo, mas está lá!

 

Principal Grace Musso – Depois de Parker Lewis, Melanie Chartoff teve a sorte de sido escolhida para uma das vozes de Rugrats. A maioria dos seus trabalhos foi a fazer vozes, embora tenha participado em várias séries conhecidas como Ally McBeal, ou mais recentemente em Desperate Housewifes. Tal como Larry ainda anda por cá!

 

Shelly Lewis – Maia Brewton, a irmã irritante de Parker, desapareceu do mapa. Antes da série entrou no Regresso ao Futuro, em 21 Jump Street, mas depois… fez um filme que no imdb nem sequer está comentado ou analisado.

 

Mr. Lewis – Timothy Stack, continuou extremamente activo depois da série. Até entrou em Scary Movie 3. A imagem é de uma série que ele entrou.

 

Mrs. Lewis – Anne Bloom, tem a curiosidade de entrar na famosa série de finais dos anos 70 do Homem-Aranha (já agora se alguém souber como é que eu posso arranjar isto, faça o favor de entrar em contacto). Depois de Parker, teve duas pequenas participações e não fez mais nada.

 

Frank Lemmer – O tenebroso assistente de Grace Musso, Taj Johnson, não tinha feito nada até Parker e depois teve uma participação sem qualquer tipo de destaque no filme Samantha (1992). Em 2001 entrou num anuncio de um BMW Mini.

 

Dr. Pankow – Gerrit Graham, já tinha sucesso antes da série, continuou a ter sucesso depois. Entrou em Seinfeld, Star Trek and so on and so on…

 

Nick Comstock – O estranho e misterioso empregado do bar, Paul Johansson, é capaz de ter sido a par de Musso e Kubiak, quem teve mais sucesso. Desde Beverly Hill a Highlander, a filmes do Wishmaster, até desenbocar em One Tree Hill. Aqui até já foi director de alguns episódios.

 

Annie Sloan – Jennifer Guthrie, era a bomba da série. Loira de olhos azuis, linda, namorada de Parker e razão para petições de beatificação! Desapareceu dos ecrãs em 1998 (não faleceu, pelo menos não que eu saiba) e até 98 esteve em Seinfeld, Sexo e a Cidade, Beverly Hill’s entre outras.

Praticamente não achei fotos de antes e depois. Se acharem qualquer coisa avisem que fazemos um update ao post.


publicado por Ricardo Fernandes às 12:50 link do post
tags:
14 de Março de 2007

Depois de um dia de trabalho cansativo, a única forma de escape que tenho encontrado ultimamente é ver séries de TV. Tenho por isso feito o que milhares de pessoas fazem sacado da net para vê-las. Não guardo nenhuma, vejo e passo ao ser semelhante que como eu, goste de ver séries de TV.

Ultimamente tenho visto Scrubs, cuja primeira e segunda série passou nos anos áureos da Sic Radical, traduzida vulgarmente por Médicos e Estagiários. Foi esta série que descobriu para o mundo Zach Braff e redescobriu um actor excelente, que até participar nesta série andava meio perdido: John C. McGinley.

Scrubs é uma série indispensável na prateleira de DVD’s de qualquer pessoa, é uma pena não existirem edições em português. Acompanha a vida de um jovem médico estagiário brilhante, J.D. (Zach Braff), que faz precisamente esse estágio no “Sacred Heart Hospital”. É aí que se vai relacionar com personagens como o seu mentor Dr. Perry Cox (John C. McGinley), cuja missão na vida é infernizar a vida de toda a gente (é um gozão) embora no fundo tenha um coração de manteiga; do contínuo (Neil Flynn) cujo nome não se sabe, mas que tem por missão perseguir J.D. e todos no hospital cada vez que atravessam no seu caminho (particularmente o J.D.); Dr. Bob Kelso interpretado pelo magnifico Ken Jenkins, director do hospital, um homem sem escrúpulos; o melhor amigo de infância, colega cirurgião e razão de uma homossexualidade não assumida de J.D., Turk (Donald Faison); Carla (Judy Reyes) a enfermeira latina que futuramente será mulher de Turk; Elliot (Sarah Chalke), a médica loira histérica que será a melhor-amiga-namorada-colorida-inimiga-amante de J.D.

Scrubs tem tanto de hilariante como de interessante. Depressa passamos de um estado em que não conseguimos mais suster as dores de barriga de tanto rir, como estamos cabisbaixos e tristes com alguma situação mais séria.

Se há série que vocês não querem perder, é esta.


publicado por Ricardo Fernandes às 15:51 link do post
tags:
14 de Março de 2007

Andava eu à procura de umas imagens sobre “Allo! Allo”, uma das melhores séries de todos os tempos, quando me deparo com um artigo de: O que eles andam a fazer agora?

Resolvi pesquisar e fazer o meu próprio artigo uma vez que este encontrava-se bastante incompleto.

Alguns infelizmente já não estão entre nós:

-          Carmen Silvera, Edith (Edith: Rene, Michelle told me horrible news. Now, when I heard it I look ten years older. René: You always look ten year older.), a mulher de René, que cantava mal como tudo, faleceu no dia 03-08-2002.


-          O Coronel Alemão Von Strohm (Capt. Hans Geering: Rene, your wife has many talents. Col. Von Strom: Singing isn't one of them.), brilhantemente interpretado por Richard Marner, faleceu no dia 18 de Março de 2004.


-          Monsieur Alphonse (Swiftly, and with style.), Kenneth Connor o coveiro inevitavelmente também cavou a sua em 1993.


-          Rose Hill a mãe de Edith, Madamme Fanny (Edith! Yvette! Maria! Oh! Does nobody hear the cries of an poor old woman!?) faleceu a 22 de Dezembro de 2003.

 

-          General Erich von Klinkerhoffen (Guards! Arrest all Gypsies driving fire engines) de seu nome Hilary Minster faleceu a 24 de Novembro de 1999.


-          Jack Haig, Roger Leclerc (It is I, Leclerc) faleceu ainda no decorrer das filmagens de Allo Allo em 1999.


Alguns no entanto continuam bem vivos e activos:


- Ironia das ironias quando comecei a pesquisar para este post, René Artois, Gorden Kaye (You stupid woman!) era o único que eu tinha a certeza que tinha morrido num acidente de carro em 1990. Afinal, esse sex symbol sobreviveu ao acidente e hoje com 66 anos é um homossexual assumido.



- O Agente Crabtree, Arthur Bostrom (Good Mouning) o inglês disfarçado de policia francês, têm agora 50 anos e continua em alta com um próprio programa na televisão britânica.


- O capitão italiano Bertolli(que não arranjei foto, se alguem tiver que avise), Gavin Richards tem agora quase 60 anos e vai aparecendo em inúmeras séries de TV britânicas (I kissa your handa, tha biutifa leidi).



- Guy Siner, o famoso tenente “Gay” Gruber, foi o que andou mais activo, seja com papéis secundários ou não, seja a emprestar a voz para jogos, ou séries animadas.


 

Outros não estão tão activos, como Herr Flick. Richard Gibson que nasceu no Uganda, não esteve particularmente activo, participando em papéis menores, mas muito poucos.

 

E as miúdas porque todos babávamos?


 

 


Consegui encontrar algumas fotos do antes e do depois, Vicky Michelle, a Yvette empregada de René, tem agora 57 anos e continua muito bonita. Depois de “Allo! Allo” não fez mais nada, excepto uma pequena participação na série “All in The Game”.



Kim Hartman, a deliciosa Helga, tem agora 53 anos e a esta a idade arrefinfou-lhe! Teve algumas participações em séries e filmes nos anos 90. Hoje tem uma companhia de produção de teatro com o esposo.

De Mimi a outra empregada, Sue Hodge (a que era baixinha, 1,45m) não encontrei fotos recentes. Depois desta série dedicou-se ao teatro, fazendo peças inclusive, uma com a sua personagem de Allo! Allo.

Michelle (Kirsten Cooke), famosa pela frase “I shall say this only once” e Louise (Carole Ashby) da resistência francesa, fizeram algumas coisas nos anos 90 e inícios de 2000 mas nada de especial. Encontrei uma foto de uma disco com elas as duas, que parece ter sido um reencontro de malta da série, com o Crabtree e com a Yvette.

 

Foi uma das melhores séries que tive o prazer de assistir. E hei-de ter as nove séries nas minhas prateleiras.

publicado por Ricardo Fernandes às 15:30 link do post
tags:
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
16
17
18
20
21
22
23
24
25
28
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO