21 de Agosto de 2006

Retirei esta ideia do Joblo.com e também do Cineblog. Vou passar a fazer top’s!!! Não top’s de senhoras, porque eu com a agulha não tenho muito jeito, mas top’s de figuras interessantes.

 

Vamos começar com o TOP 10 dos melhores heróis de acção!

 

10. Luke Skywalker – Star Wars

Tem ar de menina é um facto… mas foi através de dele que todos nós sonhámos ter um sabre de luz. Foi com ele que a magia começou. Luke Skywalker, um agicultor moderno (?!?), só queria viajar pelo espaço. De um momento para o outro viu-se inserido numa trama de aventura e emoções dignas de um verdadeiro rebelde. Ora vejamos, não quer ter nada a ver com o pai... aliás tenta trespassa-lo variadas vezes, apaixona-se pela irmã... e tem como companheiro um robot gay... Um ganda maluco.


09. Murphy – Robocop

Haverá robot mais mítico que este? Robot… parvoíce… Cyborg! Antes era um polícia normal, com mulher e  filhos, mas ao tentar impedir os maus da fita  de um crime, é assassinado. Felizmente a sua tromba ficou intacta. Inserem a sua cabeça, num cyborg ultramoderno. Robocop passa a ser o policia perfeito, o herói da pequenada. Primeiro sem ter noção da sua vida passada e quando começa a ter, persegue a ex-mulher, que não quer nada com ele. Talvez devido à frustração, este vai atrás dos maus que lhe fizeram isto e mata-os um por um.

08. John McClane – Die Hard

O durão da história, com mais piada que existe… bem talvez o Ash tenha mais… mas a trilogia Die Hard é do melhor que há! John McClane é um chui como todos os outros. Tem problemas com a mulher. Ao visitar a mulher pelo Natal, vê-se a braços com uma invasão terrorista ao prédio da empresa da sua esposa. McClane como estava na casa de banho... escapa-se e  ataca todos os terroristas.

07. Ripley – Aliens

A única mulher deste post. A saga Aliens é a mais arrepiante saga de acção/terror do Cinema. E esta mulher no segundo filme… dá pau! No primeiro é apenas uma cientista  numa nave com 7 passageiros. Quando pousam num misterioso planeta, um dos colegas é infectado. Resultado após vários dias em coma, é que esteve a incubar aquilo que é muito parecido com uma boneca das Caldas e que mais tarde, vem a ser um "aliens". O bicho mata todos os colegas dela. Só ela e um gato é que se safam.

06. Ash – Army of Darkness

Uma moto serra, uma caçadeira, um sentido de humor irónico e quase sem escrúpulos nenhuns… Combinação fenomenal. Ash era apenas um tipo que queria ir para uma cabana dar umas grandes foleiradas. Quando lá chega a cabana tem um livro das trevas. Acontece então uma sucessão de eventos que  mais tarde o vai transportar até ao século XVI, onde faz furor  com a sua moto serra.

 


Os próximos 5: amanhã!

 

publicado por Ricardo Fernandes às 16:01 link do post
tags:
21 de Agosto de 2006

A maioria das críticas que li sobre Superman Returns são más. Umas muito más, outras assim, assim. Cheguei a ler que este filme não faz esquecer os primeiros Super-homem(s) com Christopher Reeves. A minha não é má, gostei bastante do filme e irei dizer porquê.

Antes um parágrafo. Eu vi o filme antes deste estrear no cinema. Não queria ver uma cópia pirata, mas fiquei com graves crises de verborreia asneirenta quando, soube que só iria estrear em Portugal praticamente 2 meses depois de ter estreado nos U.S.A. e no resto do mundo civilizado. A minha vingança: vou vê-lo como um pirata. Esta decisão de só estrear a 10 de Agosto em Portugal, levou-me a pensar no porquê. Foi uma estratégia de Marketing, certamente. Se o foi, foi muito mal concebida. Provavelmente a intenção era levar as famílias imigrantes ao cinema, esquecendo-se porém que essas já o teriam visto há 2 meses atrás. E quem não o viu então, foi porque não tinha interesse... logo... não o irá ver agora… Brilhante estratégia não?

Apesar de tudo isto, eu fui na realidade vê-lo também ao cinema. Fui vê-lo na sala Cinemax do Beloura Shopping, zona VIP.

Superman Returns situa-se cronologicamente depois do segundo filme da saga, imortalizada por Christopher Reeves. Neste segundo filme, Lois Lane descobre que Clark Kent é na realidade o Super-Homem e este usa um dos cristais da sua fortaleza da Solidão para se tornar humano e poder ter uma vida normal, com a sua eterna amada. Tudo estaria bem, não fosse, 3 criminosos de Krypton presos na Zona-Fantasma (prisão Kryptoniana), conseguirem fugir para fugir para a terra. Nesta, eles tem os poderes do Super-Homem e são imparáveis, principalmente quando se juntam a Lex Luthor. O líder destes criminosos é Zod. Um grande general kryptoniano que tinha sido aprisionado por Jor-El, pai do Super-Homem. Em busca de vingança, devastam o nosso planeta e Clark Kent que era agora humana, é forçado a desistir da sua vida normal e recupera os seus poderes. O filme acaba, com a destruição destes 3 inimigos mortais e com algo inexplicável: Lois Lane esquece que Clark Kent é o Super-Homem.

Superman Returns segue a partir daqui. Uns cientistas descobrem fragmentos do planeta natal do Homem de Aço. Na eterna procura de um ser igual, Kal-El (Super-Homem) resolve partir em busca de vida nesses fragmentos, mas não encontra ninguém e retorna à terra. Passam-se 5 anos e a terra continua a sua vida sem o Super-Homem.

Quando regressa, muito se alterou. Lex Luthor foi solto porque o Super-Homem não podia depor; e principalmente Lois Lane está junta com outra pessoa e é Mãe.

Não vou adiantar mais do filme, pois é minha intrínseca opinião que devem ver o filme.

Brandon Roth é o indivíduo que tem a cruel missão de fazer esquecer Christopher Reeves. É fisicamente parecido com este último e em certas alturas do filme, principalmente quando se despede de Lois na famosa expressão “Good night Lois!” é a voz de Reeves. Como Clark é quando tem mais semelhanças. As mesmas idiotices e jeito parvo que caracteriza o repórter está patente. É um fardo enorme representar o papel de alguém admirado por todos, o papel que para Christopher Reeves, foi o seu, é o seu papel, mas Brandon Roth está muito bem.

Kate Bosworth é a nova Lois Lane. Não é a Lois Lane dos mundos do Super-Homem que mais gosto, no entanto é uma carinha laroca, bem mais bonita que Margot Kidder. Ela impregna ao seu papel uma idoneidade diferente da que Margot deu. Margot Kidder, representava uma mulher cosmopolita, com um stress brutal, sempre numa azáfama arrebatadora, com uma voz que roçava os decibéis que provocam a surdez a qualquer um e Kate dá-nos uma mulher completamente diferente. Também arrisca e provoca, mas é muito comedida e a voz têm um tom normal. Talvez por ser mãe, está mais controlada, o que transfere ao papel uma credibilidade maior.

Para Kevin Spacey a tarefa não era nada fácil. Substituir o consagrado Gene Hackman, não é para qualquer um. Mas Spacey, dispensa apresentações e este sim… É o Lex Luthor, que eu queria. É cruel mesquinho e quando esboçamos um sorriso ao vê-lo no filme é porque ele é irónico e não uma barata tonta.

Bryan Singer apostou num elenco consagrado, excepção feita a Brandon Roth, e talvez Kate Bosworth, embora não tendo feito muitos filmes, é já bastante conhecida nos states. Foi engraçado vê-lo recuperar velhas filmagens de Marlon Brando dos primeiros filmes e inseri-las neste, e visualmente creio que ele é do melhor que por aí anda. Depois dos 2 primeiros X-Men, cujo 3º abandonou para fazer Superman Returns, só se podia esperar beleza visual. O Super-Homem realmente voa, a capa esvoaça de acordo com os movimentos do actor, e as cenas de acção conseguem-nos colar à cadeira.

Devo frisar dois momentos que para mim demonstram o quanto este filme é bom. Sem estar a querer estragar nada a ninguém, o Super-Homem leva um enfardamento brutal na parte final do filme. Eu consegui sentir o sufoco, dor e desespero através da sucessão de imagens e do desempenho de Brandon Roth. De salientar também que após salvar o mundo, o nosso herói cai das alturas e a forma como cai fez-me lembrar um outro filme e a história da humanidade. Ele cai de braços abertos e em forma de cruz… Preciso de salientar mais? Salvador da Humanidade? Hello?!! Anyone? O filme que me recorda é a terceira parte de Matrix, quando Neo é carregado para o núcleo.

É através de Singer que poderemos agradecer a presença de Spacey, que o tinha dirigido em Suspeitos do Costume. Também contamos aqui com James Madeson, o Ciclops de X-Men.

No fundo, este não é um filme de vislumbre. É um filme para quem gosta do Super-Homem. Para quem entende o personagem e vibra com ele. Para os demais é apenas um filme que se vê bem, nunca um filme extraordinário. Para mim… foi magnífico (embora com o dinheiro que foi gasto pudesse e devesse ser melhor).



publicado por Ricardo Fernandes às 14:12 link do post
tags: ,
Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
24
25
26
27
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO