17 de Março de 2008

Muito se escreveu e falou sobre o quão maravilhoso é este filme. O quão sublime e maravilhosamente orquestrado é enquanto arte. É de facto arte, mas arte simplista, minimalista talvez. Não quero dizer com isto que o filme é pobre ou despojado de conteúdo , bem pelo contrario, mas é talvez simples demais para uma campanha publicitária estupenda e talvez mais que isso: a moda que é um filme indie nos dias de hoje.

Quando o ano passado deu a conhecer ao mundo uma louca roadtrip " de uma família num pão de forma amarelo", as pessoas na sua generalidade souberam o que é o cinema indie . Tal e qual moda, este ano não podia deixar de ter nos Óscares o filme indie  deste ano. Mas Juno não chega sequer aos calcanhares do que foi produzido e majestosamente orquestrado em Little Miss Sunshine ". Infelizmente é-me inevitável comparar os dois. São... isto custa escrever, do mesmo "segmento".

Juno traz-nos a história de uma rapariga que após um encontro fortuito, mas premeditado, cuja acaso e certeza na sua cabeça (a de Juno), de uma tarde de sexo, deixa-lhe um presente inesperado: uma gravidez de adolescente. Como se o mundo fosse perfeito, tudo é aceite sem grandes discussões. A madrasta, o pai e os amigos todos aceitam este facto com elegante naturalidade e até apoiam a pobre, mas muito dotada, rapariga. No auge da sua adolescência, a rapariga reconhece estranhamente que não tem capacidade para criar o futuro rebente e resolve dá-lo para adopção. Esta no entanto será nos seus termos e depois de alguma pesquisa, encontra o casal perfeito ou "quase perfeito".

Para não me alongar na história, sobre pena de estragar o filme a alguém , acabo aqui. Acabo, mas começo então a explicar o porquê do minimalismo que acuso o filme. Tudo nele é simples e demasiado obvio. A história é apenas mais uma. Não trás nada de novo e não demonstra nada que nos deixe de agua na boca a sair da sala de cinema. Muito menos onde digamos: Sim Sr. Este é um filme digno de Óscar!

Ellen Page pode ou não ter futuro à frente. Não conheço mais nada dela, para saber se este é o tom natural dela, ou se nos poderá dar algo mais, sendo uma actriz de calibre, mutável perante os seus papeis. Michael Cera, o estranho namorado, também é um desconhecido para mim, terei de ver Superbad para tirar alguma ilação. JK Simmons foi uma surpresa agradável , embora o papel em Homem Aranha seja provavelmente o melhor dele. Jason Bateman e Jennifer Garner , o casal "adoptivo", são um casal que até a discutir, ou em ruptura revelam-se um pão sem sal de qualquer tipologia.

Para Jason Reitman : Tens futuro! Se há algo de muito bom a retirar deste filme é a sua realização (a banda sonora também não é nada má). Já com Thank Your For Smoking eu tinha a sensação que este rapaz há-de ir longe e a forma como ele pega neste argumento, que para mim é pobre e o desenvolve para um pouco mais é digno de ser, isto sim, arte.

Para muitos um excelente filme, para mim, mais um entre tantos.

7/10

publicado por Ricardo Fernandes às 22:09 link do post
tags: ,
17 de Março de 2008

Esta até é fácil ....



RJ/Kriticinema - 3 Pontos.
Mauro Fonseca - 1 Ponto.
publicado por Ricardo Fernandes às 17:33 link do post
17 de Março de 2008

A propósito do filme a estrear ainda este ano “Lost Boys: The Tribe”, vi o filme que em 1987 originou um culto por trás de todo o “underground vampírico”. O filme que em nada é extraordinário, está recheado de nomes sonantes desde a produção até ao actor de papel secundário. É reconhecido hoje como um fenómeno pop-MTV, com uma banda sonora típica dos anos 80.


 “Hmmm… produtor Richard Donner, realizador Joel Schumacher (aqui fiquei algo receoso…) e depois comecei a ler o cast: Jason Patrick, Corey  Haim, Kiefer Sutherland (BAUER!) e Corey Feldman (para quem não sabe este tipo foi casado com a desempregada Vanessa Marcil aka Sam Marques de Las Vegas).” Foi assim que comecei a ver este filme.


O meu único receio era precisamente Joel Schumacher… Receei que a “gayzisse” dele se estivesse a revelar nesta altura, conforme o fez em “Batman & Robin” com os mamilos nos fatos do Batman e os “close-ups” às nádegas dos dois senhores. Ora se bem que há três ou quatro filmes que gosto do amigo Joel, a maioria não gosto e acho bastante desprezível. Uma das primeiras cenas fez-me confirmar a regra de que “qualquer filme que o Joel faça é mau, mas vemos na mesma”. Joel contratou uma banda típica dos anos 80 e embora fosse moda em “personagens” como George Michael, não era senso comum ver um tipo loiro de cabelos compridos, cheio de óleo de massagem no corpo musculado e dançar com um saxofone na mão ao ritmo de uma música pop mas em movimentos típicos da lambada. Felizmente e fora algumas expressões latentes como “sair do armário” foi o máximo da “sua saída” do armário neste filme.


A história não apaixona, nem sequer é nada de extraordinária, mas há filmes que ganham o estatuto de culto apenas porque sim. Uma família de dois irmãos e uma mãe divorciada mudam-se para uma nova cidade na tentativa de reconstrução da sua vida. Aqui o irmão mais velho, apaixona-se por uma rapariga que o leva para maus caminhos. O irmão mais novo conhece dois miúdos da sua idade que acreditam estar numa cidade invadida por vampiros. Os caminhos dos dois irmãos cruzam-se quando o mais velho é iniciado nas tradições vampíricas e o mais novo se torna um verdadeiro caçador. Será que os laços familiares vão resistir a este dilema?


No fundo e sem nada de especial é sempre interessante ver os primórdios de gente como Kiefer Sutherland, ou o quão acabou por evoluir Joel Schumacher desde Lost Boys até Phone Booth. Um filme para um domingo à tarde.


6/10

publicado por Ricardo Fernandes às 17:26 link do post
tags: ,
17 de Março de 2008

In The Valley Of Elah é um filme muito complexo. Talvez complexo demais para ser explicado nestas linhas. Como qualquer filme sobre a guerra do Iraque é um filme anti-americano. Não aborda a política da invasão do Iraque, não questiona sequer o motivo dessa invasão, mas aborda o que se passa no Iraque. A forma como afecta quem de lá vem. É um pouco como aquele filme televisivo da Sic sobre quem voltou do Ultramar. Claro que é como esse filme, mas sem o Vitor Norte aos gritos e com uma granada na mão a gritar “Ninguém me disse que isto ficava para sempre”.


A premissa é simples. Um pai (Tommy Lee Jones) recebe uma chamada do exército a avisar-lhe que o filho (militar) tem obrigatoriamente que se apresentar na base ou vai a tribunal militar. Na pista do seu filho desaparecido, ele acaba por interagir com as mais variadas personagens desde a polícia local (Charlize Theron), aos militares (com Jason Patrick e James Franco) ou a sua esposa (Susan Sarandon) que acaba por sofrer mais com este desaparecimento do seu filho que o próprio marido.


Sem revelar muito deste filme, ele é chocante. Não temos uma imagem verdadeiramente chocante, mas este filme revela, como outros referentes a outras guerras já revelaram, o efeito do trauma que é infligido nas mentes destes jovens que regressam e já não se sabem integrar na realidade “antiga” que os rodeia. O seu desfecho é chocantemente frio e cruel, pior do que a imagem transmitida pela personagem de Tommy Lee Jones.

Fico sem saber se vos hei-de aconselhar uma ida ao cinema, ou se não o deverão ver de todo. A verdade é que andei o filme inteiro a ser levado para um caminho, mais que previsível, e o final é totalmente diferente. Não como um twist, mas algo que eu não queria ver, nem acreditei ser possível.


8/10

 
publicado por Ricardo Fernandes às 17:24 link do post
tags: ,
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
16
21
22
23
26
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO