28 de Abril de 2008

Pela primeira vez ponho frente a frente um original e um remake . É verdade que analisando a fundo os dois acabam por ser distintos, sendo que o primeiro é mais afastado do que representou esta grande obra de Stephen King e o segundo embora  mais perto do livro, acaba por ser menor em vários aspectos.

 

Como eu não sei manter qualquer tipo de suspense , já se percebeu que preferi o primeiro. Não que tenha um enredo aliciante ou que os actores estejam soberbos, mas o termo cagaço ” é bem aplicado aqui. A história passa pelo regresso do filho pródigo à sua terra natal. Um escritor bem sucedido volta para escrever o seu novo livro. O tema é uma casa que se diz amaldiçoada em Salem’s Lot . Não se percebendo bem o fascínio do escritor pela mesma, com a chegada de um vendedor de antiguidades que compra essa casa, começam a desaparecer pessoas e postumamente a tornarem-se vampiros. Nesta versão e embora hajam caras conhecidas do publico, o que realmente é digno de se ver é o old fashion horror com que é montado. A cena da criança a arranhar os vidros de uma janela pedindo permissão para entrar é das imagens mais horríveis que alguma vez vi. Não me importou tanto a história, cujas falhas em relação ao que está no livro são enormes, mas sim a intensidade do horror que esta adaptação consegue transmitir.

 

O “tal” remake já tem mais caras conhecidas. A vedeta de serviço é Rob Lowe e se o primeiro falha em aproximação ao livro, este ganha-lhe a milhas. Mas nunca consegue assustar, nem sequer passar da narrativa monótona. Os actores não conseguem transmitir nenhuma emoção através do pequeno ecrã e mesmo a homenagem ao primeiro do “arranhar das janelas”  não consegue implicar um terço do cagaço ” original. Também aqui é de notar ou realçar a diferença do vampiro mestre que existe no primeiro filme. Aqui temos um Rutger Hauer sem um pingo de susto e no primeiro uma cópia exacta de Graf Orlok do filme Nosferatu .

 

Em suma, quem não quiser ler o livro creio que deverá ver o filme mais recente. É o mais fiel, é detalhado e explora personagens que o primeiro não ousou tocar, inventa um pouco, mas ao menos percebe-se a maioria das acções e simbioses entre os personagens. Também é mais curto. O primeiro, embora típico no sistema e métrica de filmes dos anos 70, não explora a história, acabando por se tornar grande demais com cenas apenas para criar suspense e sem grande influencia no decorrer da narrativa. Ainda assim transmite emoções, os tais cagaços e um constante “e agora?”, que o segundo nunca é capaz de fazer. Já sabem sustos = primeiro e História= segundo.

 

Salem's Lot (1979)  7/10

 

'Salem's Lot (2004) 5/10

publicado por Ricardo Fernandes às 18:26 link do post
tags: ,
Nunca vi nenhuma desses dois. Mas após ler o teu texto, fiquei na dúvida de qual iria ver (ou se visse os dois, qual veria primeiro)...
Até lá, contento-me por ter visto o REC a tempo e cuspir agora para o Quarantine quando ele sair :P LOL
Edgar Ascensão a 29 de Abril de 2008 às 23:59
Eu vi primeiro o mais antigo e depois o mais recente, pela ordem de saída a publico, acho que deves ver assim, ou se possível, lê o livro primeiro.
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
19
20
24
25
26
27
29
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO