02 de Abril de 2008

De tudo o que esperava de The Mist, não esperava certamente gostar do filme. Já conhecia a obra Literária de Stephen King e sabia de antemão o que se iria suceder ao longo do filme. Se para alguns (sim Edgar és tu J ) o filme foi insípido, o desenvolvimento das personagens nulo e a realização pior que horrível, eu achei precisamente o contrário, na maioria destes campos.

 

A cidade de Brigton no Maine (a tal cidade ficcional), é assolada por um misterioso nevoeiro que aparece após uma noite de trovoada. Devido aos estragos causados por esta ultima, David Drayton (Thomas Jane de The Punisher) e o seu filho Billy (Nathan Gamble) dirigem-se ao supermercado da cidade (aqueles à americana onde se vende de tudo) para se reabastecerem de mantimentos e outros utensílios para reparar a casa, algo desfalcada de “madeira”.  Quando estão fila de pagamento o nevoeiro torna-se muito denso, cobrindo praticamente a cidade e subitamente aparece um homem aos gritos, referindo que há algo no nevoeiro e está a matar toda a gente. Com extremo receio, toda a gente que estava na loja resolve não sair até saber o que se passa. Mas, que motivo teriam eles para não sair? Ao que sabiam podia bem ser um velho louco a gritar como muitos pelo fim dos tempos. Quando começam a sair alguns clientes e há grito e sangue algo está errado.

 

O cerne do filme acaba por ser a convivência entre os vários clientes e funcionários da loja. Não me querendo alongar demasiado na história para quem queira ver o filme praticamente imaculado de informação, creio que não vale a pena escrever mais sobre o nevoeiro. Afinal de contas as taglines do mesmo até são bem claras: “Belief divides them, mystery surrounds Them, but fear changes everything”. O que o medo nos leva a fazer? Em época de crise onde nos apoiamos? O que fazer, como proceder? – Estas são as questões que estão sempre presentes no filme. Quando tudo está controlado, quando há apenas laivos de discórdia, em que só a voz de uma fanática religiosa se ouve lá muito ao fundo, não há qualquer problema. Esse levanta-se, quando as mortes e acontecimentos inexplicáveis começam a suceder-se. Nessa altura a voz que era distante, aproxima-se e o medo instala-se pois as suas palavras são de vingança de Deus, do Diabo e do dia do Julgamento. Sem saberem como explicar o que se sucede, as pessoas apegam-se a quem lhes dá esperança de salvação.

 

E é aqui que se centra todo o filme, em que o veículo de ódio, personificado na personagem de Marcia Gay Harden, despoleta o que de pior há no ser humano, em que a dada altura é mais seguro estar no nevoeiro, que dentro da loja. Aliás a actuação de Marcia Gay Harden  é de tal forma convincente, que Nuno Markl escreve no seu blog, algo que eu não posso deixar de concordar: “Vale a pena aplaudir ainda Marcia Gay Harden num papel que, não fosse a Academia considerar o horror um género menor, lhe poderia ter valido nomeação para o Óscar”.

 

De Frank Duramont, realizador de filmes como “The Shawshank Redemption” e “The Green Mile” (curiosamente ambos escritos por Stephen King) apenas tenho a apontar algo que me deixa completamente possesso, que é o fade in e fade out como mudança de capitulo no argumento. Isso realmente não têm cabimento para um filme de cinema e não de TV. Quanto ao resto, acho que está bem explorado pelo que as personagens oferecem. Há a crítica política em Brent Norton, a social em como o primeiro (Juiz de Nova York) se eleva acima dos demais cidadãos da pequena cidade, a separação de raças, ou ainda na própria estrutura de certos cidadãos. Em suma, o desenvolvimento não é vasto, porque não é caso disso, não há necessidade na história nem na situação para aprofundar mais os personagens.

 

O final é diferente do livro, quem o leu, verá que há aqui um cunho pessoal, ou dos argumentistas ou do realizador, não estraga a história, mas confere-lhe um poder completamente diferente, por tudo aquilo que implica. Se é melhor ou pior… depende da perspectiva. Creio que o que King queria transmitir quando o escreveu, Duramont conseguiu entender e explorar através da personagem de Marcia Gay Harden, porém quando King, não viu a necessidade de algo mais na história, Duramont viu. Sejam vocês os juízes.

 

 

7/10

 


 

Em nota de rodapé, o filme estreou nos EUA a 21 de Novembro de 2007, apenas quatro meses antes do nosso pequeno paraíso chamado: Portugal.

publicado por Ricardo Fernandes às 15:36 link do post
tags: ,
Por isso gosto do cinema em relação a tudo o resto: Consegue-se distanciar das coisas sem ser preciso entrar no fanatismo (tal como o futebol, por exemplo). Eu como sabes, não gostei do filme, pelas razões que já enumerei e não vou voltar a escrevinhar, ehehh! E realmente lembraste-me dos fades... Ui o que eu me ri com isso!
Já agora, qual o final do livro??
Edgar Ascensão a 2 de Abril de 2008 às 17:45
*SPOILOR* Bom... creio que não faça mal nenhum... no livro após entrarem no carro (os mesmos) rumam pelo nevoeiro e mais nada... :P
Bem... Então ponto a favor de Darabont, pelo menos nesse aspecto ;)
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
19
20
24
25
26
27
29
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO