16 de Agosto de 2010

A história de como um livro nos vem parar aos braços, é sempre peculiar. Voltei a ganhar gosto pela leitura. E por incrível que parece tudo se deve… ao twitter e sobretudo ao acaso!

 

Li muito, em tempos idos, aquando dos meus 20 anos. Era frequente viajar de comboio e como tal, lia bastante, devorando sagas e livros soltos em menos de uma semana. Era mais inteligente na altura, pelo que alugava imensos livros na faculdade e gastava muito pouco dinheiro com isso (mais abaixo toco o porquê deste ponto). Lembro-me da aventura que foi ler as Brumas de Avalon, o Perfume, mais tarde o Senhor dos Anéis ou mesmo a saga do menino que sobreviveu. No entanto, comecei a trabalhar, a Internet transformou-se e com ela vieram os filmes e as séries, que se começaram a suceder a um ritmo galopante, comprei uma Xbox360, casei-me e os primeiros sacrificados, nessa loucura que é a falta de tempo, foram os livros.

 

A verdade é que ainda tentei ler algumas coisas… depois do capítulo final de Harry Potter, mas nada me satisfez. Li o Código de Da Vinci e desiludi-me, li “The Cell” de Stephen King e embora tenha gostado não era a mesma coisa. Mas no entanto envolvi-me no TVDependente pelo meu gosto de séries e vim a deparar-me (já que gostava imenso do autor) com “The Dark Tower” do mesmo King que falei acima. Lia-se nalgum link que carreguei, que a história era mais complexa que Lost e que a saga tinha sido uma das influências maiores da mítica série. No entanto após o primeiro capítulo desinteressei-me. Talvez por ser um inglês complexo, embora já tenha lido imensos em inglês (a saga Harry Potter, até alguns da saga Twilight), ou talvez porque não me envolveu nesse primeiro capítulo. E sim é verdade... li alguns livros da Saga Twilight. Li o primeiro e até gostei, li o segundo e vi-me grego para o acabar e não consegui completar o terceiro, porque era mau de mais e desisti por completo.

 

Mas felizmente tenho Twitter e entre algumas das pessoas que sigo, começou a existir um "zum zum", acerca de uma nova série da HBO a estrear em 2011 baseada num livro chamado “A Game Of Thrones” da saga "A Song of Ice and Fire". Perguntei o que era e lá me explicaram que era um livro de um tal de George R. R. Martin, conhecido por ter escrito para as séries "Beauty and the Beast" (sim com a Linda Hamilton) e "The Twilight Zone", que era composto por 7 volumes, mas só estavam escritos 4. E que era estrondosamente bom e avassalador.

 

Fiquei com a pulga atrás da orelha. Não o comprei, pois tal como muitos outros que tenho em casa (inclusive Sangue Fresco), ficaria empilhado e com muito poucas hipóteses de ser lido. No entanto chegou o mês de Maio e com isso a Feira do Livro de Lisboa. Impulsionado pela minha sede de “Sangue Fresco” fui até à bancada da editora Saída de Emergência para o adquirir, mas o destino entrou em campo quando a rapariga que está à minha frente, tem nas mãos o livro que descurei chamado “A Guerra dos Tronos”. Custava 10€ em preço de feira e eu pensei… porque não? Levei os dois.

 

Tal como pensava ficaram ambos parados. Sangue Fresco porque após a leitura do primeiro capítulo, não me atraía tanto quanto a série e outro… bom, porque simplesmente não o queria ler. Passou Junho e nada, mas no final de Julho entrei de férias e levei os dois livros comigo. Na primeira semana acabei Sangue Fresco. Gostei, não tanto quanto a série, mas no Twitter e Facebook, diziam-me que só tinha a melhorar. Que realmente o primeiro era o mais fraquinho. E fui à Fnac comprar o segundo. No entanto, não me queria embrenhar logo no segundo. Optei por experimentar o primeiro capítulo de “A Guerra dos Tronos”, afinal de contas dizia na contracapa que era a mais importante obra fantástica desde que Bilbo encontrou o anel. Porque não? Li então o primeiro capítulo e o segundo, terceiro e não consegui parar de ler. Li até voltar para o trabalho, altura em que com a azáfama e o desnorte de sair das férias, não li durante dois ou três dias, mas quinta-feira passada acabei finalmente o livro. Fascinado com a história resolvi comprar o segundo. Na sexta-feira, depois do trabalho e qual não é o meu espanto quando Domingo às 13 horas da tarde tinha-o acabado.

 

A minha senhora, ofereceu-me o terceiro e já estou a alta velocidade. Gosto de o ler. Têm tudo o que me atrai: intrigas palacianas (é mais ou menos medieval), honra, dever, mistério, guerra, magia, coisas sobrenaturais. O livro, as palavras, entranham-se  de tal maneira que não estou a conseguir saciar a sede de saber mais sobre a história. Sim, é assim tão bom!

 

No entanto tenho uma crítica a fazer à sua editora, a Saída de Emergência. Compreendo o risco que é num país como o nosso, lançar um livro destes para o público. Compreendo que tendo em conta a fantástica tradução de Jorge Candeias e trabalho de capa que o livro custe os 17 € (se bem que 14€, ou mesmo os 10€ de preço de feira, seria mais que justo). Mas não compreendo a necessidade de dividir os livros em 2. Foram editados 4 livros por George R. R. Martin, nós temos 8. Ora… cada um dos livros dele, origina dois nossos e os dele em inglês custam 10€, na Fnac… Não compreendo esta alarvidade de ganhar dinheiro, sentindo a necessidade de dividir os livros em 2 (129€ é um bocado abusado… é ¼ do salário mínimo nacional). Principalmente quando a Saída de Emergência está agora mais do que nunca presente em todo o lado com a Saga Sangue Fresco. É uma pena, parece-me um preço excessivo e é talvez por isso que agora, que ganhei novamente o gosto pela leitura, não consiga comprar mais livros.

 

Sobre a história dos livros em si... bom leiam, é o melhor que tenho a dizer. Aconselho vivamente: 10 em 10!

publicado por Ricardo Fernandes às 14:15 link do post
21 de Julho de 2010

Já ouviram falar que a Optimus anda a desbloquear telemóveis de forma gratuita?

 

Pois é. Para clientes que queiram um tlm novo, basta a compra do mesmo, que a Optimus desbloqueia a 0€. Para todos aqueles que lhes andaram a encher o cu durante anos, essa malfadada operadora tem de pagar para o desbloquear.

 

Dou o exemplo: Tenho um iPhone, cuja única razão pela qual quero mudar de operador é porque não tenho rede em casa. Ora comprei o iPhone em Dezembro, porque as condições eram melhores que as da Vodafone, mas sem rede em casa não dá muito jeito. Agora que o meu produto se encontra em campanha de desbloqueio, também quero tê-lo de forma gratuita, mas a Optimus diz que como eu não o comprei ao abrigo desta campanha, não posso usufruir desse beneficio e tenho de pagar 200€ se quiser ter o telemóvel desbloqueado. Acho uma falta de ética enorme para com quem já é cliente.


Vou fazer queixa à autoridade da concorrência e vou a uma loja Optimus escrever no livro de reclamações. Se ainda assim não tiver o desbloqueio do iPhone, deixarei de pagar qualquer centavo à Optimus e passo a ter um pisa papéis de luxo, até existir uma forma de poder desbloquear gratuitamente.

 

Irei escrevendo novas informações.

publicado por Ricardo Fernandes às 17:51 link do post
05 de Julho de 2010

Como o assunto do dia é a transferência de João Moutinho para o Porto, creio que é chegada a hora de transmitir a minha opinião pela selecção de todos nós e a sua prestação no mundial que ainda decorre.

 

Como já tive oportunidade de dizer, Queirós encontrou uma selecção que tinha a necessidade de se reconstruir e de encontrar novas soluções para uma selecção que se encontrava envelhecida. Mas da ultima selecção de Scolari, sejamos sinceros… só Figo e Pauleta deixaram mesmo de jogar. O resto ainda está em actividade, sendo que dos mais recentes só Petit, declarou de início que não queria jogar pela selecção e Maniche veio afirma-lo durante o apuramento. Queiroz poderia e deveria ter-se apoiado mais na equipa de Scolari, para conseguir uma qualificação confortável para o Mundial.

 

No entanto como todos sabemos, num grupo que continha Dinamarca, Suécia, Albânia, Hungária e Malta, só nos conseguimos apurar nos Play-Off contra a Bósnia-Hergovina. Os navegadores partiram para o mundial, esperando que Cristiano Ronaldo fosse o seu Bartolomeu Dias para passar o cabo das Tormentas, mas mal sabiam eles que a Adamastor já se encontrava no meio deles sob o nome de Carlos Queirós. Mas em verdade, a culpa nem é de Queirós. Não creio que haja vivalma neste país que não tivesse (já há muitos anos) plena noção de que ele é um mau treinador, um mau seleccionador. O apuramento do mundial dos USA em 94 foi um fiasco. Tínhamos as velhas glórias (Futre, Rui Barros, etc) no activo e a nova fornada de ouro (João Pinto, Fernando Couto, Figo, Rui Costa, etc) no activo e conseguimos ficar atrás da Suiça. Todo o resto que se seguiu para Queirós, resultou em fiasco, nomeadamente Sporting e Real Madrid. Portanto, não seria de esperar que agora é conseguisse atingir algo.

 

À parte das polémicas marcadas com a escolha de grupos, onde se integraram jogadores que vinham de longas lesões (caso de Pepe), Queirós escolheu uma base extremamente defensiva, sem nunca ter uma ideia de jogo definida:

 

  • Para guarda-redes escolheu Eduardo, Beto e Daniel Fernandes, deixando de fora Rui Patrício que fez todo o apuramento sem nenhuma internacionalização e Quim que após a derrota do amigável com o Brasil, não mais foi convocado.
  • Na defesa, chama 9 (?!?) jogadores, sendo que não podia contar com Bosingwa. Ricardo Carvalho, Pepe, Bruno Alves, Rolando, Ricardo Costa, Miguel, Paulo Ferreira, Duda e Fábio Coentrão, foram os nomes escolhidos. Mesmo afirmando Queirós, que Pepe havia sido convocado para a posição de Médio defensivo, não deixa de ser estranho a quantidade absurda de defesas que leva para o Mundial, pese embora que tanto Duda como Fábio Coentrão também poderiam fazer outras posições.
  • Para o meio campo escolhe como médios defensivos Pedro Mendes e Miguel Veloso (porquê a chamada de Pepe?), para médios Centro/ofensivos Raul Meireles, Tiago e Deco, para as alas Simão, Ronaldo, Nani e Danny. Como sabemos Nani veio a ser substituído por Ruben Amorim, um médio ala ofensivo, por um médio polivalente, mas mais vocacionado defensivamente e Danny que é suposto ser um médio ofensivo, jogou nas alas, claramente desposicionado e sem nunca brilhar.
  • Para o Ataque chama apenas 2 jogadores: Liedson e Hugo Almeida. Deixou nomes de fora como Nuno Gomes, Makukula ou mesmo Hélder Postiga.

 

O modelo por esta escolha embora extremamente defensiva, passaria sempre por adoptar a base deixada por Scolari, que já é usada há muitos anos por Portugal num 4-1-2-2-1, mas Portugal, ou melhor Queirós teve uma equipa diferente todos os jogos. Aliás, todas as selecções tem sempre uma estrutura táctica base e os jogadores encaixam-se aí. É assim com todas as selecções e Portugal, até Queirós, não era excepção.

 

O grupo, já mal estruturado por si, parece que teve muitos problemas de balneário que o seleccionador não soube gerir. Soube que Nani saiu da selecção que entrou em confronto físico com Simão Sabrosa, e que este ultimo também se envolveu em vários bate-bocas com Ronaldo. Depois houve a situação de Deco e claro, já depois da derrota, as palavras de Liedson, Hugo Almeida e do próprio Cristiano Ronal contra Queirós.

 

No entanto, tivemos no mundial e como este país funciona, nós tivemos uma vitória moral. Perdemos contra a Espanha, campeã do mundo e por isso está tudo bem ainda se não tenhamos jogado nada nos 4 jogos que fizemos. Portanto se Queirós diz, que empatar contra o nº 1 e perder para nº2 do mundo quer dizer que se tem que ir embora, eu digo sim, têm:

 

  • Contra a Costa do Marfim entrámos a medo no jogo: o pequeno Liedson, não conseguia fazer frente à defesa contrária, devido à enormidade física dos adversários; Deco teve um jogo muito mau e nunca conseguiu impor-se em campo, nas 3 ou 4 posições que jogou e claro Ronaldo, que tinha de recuar imenso para que lhe passassem a bola, ao contrário dos clubes que jogam com e para ele.
  • Com a Coreia, o país e Queirós iludiram-se. Realmente 7-0 é um resultado glorioso, mas parece-me que toda a gente se esqueceu que embora tenhamos marcado na primeira parte, a verdade é que a bola teve sempre na primeira parte com os Coreanos e tivemos realmente sorte, em não terem conseguido marcar nenhum golo.
  • O Brasil estava apurado. Jogou com alguns dos habituais titulares, mas a maioria eram jogadores sem grande experiência internacional. É um facto que não perdemos, mas este Brasil, deste Dunga? Tinha sido trigo limpo, para qualquer equipe do Scolari. Foi um jogo triste, onde não se percebeu como jogava Portugal sem pontas de lança. Eu até compreendo esta opção, se realmente tivesses bons alas e não o Duda e o Danny.
  • Espanha… mas como este jogo podia ter sido ganho… É um facto que Castela foi superior, mas Queirós nem tinha feito grandes asneiras na escolha da equipe principal. Voltou a meter Hugo Almeida (que jogou muito) na frente de ataque e a falha foi mesmo Pepe a titular (aos 30 minutos não se aguentava das pernas) e Ricardo Costa a defesa direito (com dois defesas direitos no banco). Portugal conseguiu fazer frente a Castela até, Queirós tirar Hugo Almeida por… Danny. Portugal perdeu a referência de ataque, que mais que jogar com bola, prendia o primeiro ataque Espanhol, com os centrais do Barcelona. 10 minutos depois foi o golo de Espanha e Portugal nunca mais se viu. Queirós ainda tira Pepe numa tentativa desesperada de ganhar o jogo e põe… Pedro Mendes (?!?!?!).

 

Ora, perguntava Queirós se perder com o nº2 era motivo de se despedir. Depois disto eu acho que sim. Depois de um apuramento (grupo mais fácil de todos) em que Portugal, por pouco não ia ao mundial e depois destas prestações, é claro que ele não tem capacidade para o trabalho. Que ele não se queira despedir por motivos financeiros, eu compreendo. Poderia colocar o lugar à disposição, honrando assim o país que representa. Mas dizer de todo que não se despede, pois a prestação é boa? Não acho que é de alguém com todos os neurónios no lugar certo.

 

Se Queirós esperava que Cristiano Ronaldo fosse o Bartolomeu Dias, ou até o Vasco da Gama, a verdade é que no meio de tanta confusão Ronaldo e os outros marinheiros nunca conseguiram dobrar o cabo livrarem-se do Adamastor que é Carlos Queirós…

publicado por Ricardo Fernandes às 15:00 link do post
01 de Julho de 2010

Sei que não tenho escrito nada! Ando extremamente ocupado no trabalho e mal consigo mover-me entre a blogosfera, para ler os meus blogues favoritos, quanto mais escrever para vocês!

 

Hoje decidi, para além de dar um "Olá", dedicar-me a reciclar as prateleiras de casa... Estou a desfazer-me de vários, jogos e filmes da PSP, DVD's (alguns ainda fechados) que tenho cá e que não dou qualquer uso. Portanto e antes que a minha "Wifey" me moa o juízo com o constante "Desfaz-te daquilo.... ou vais tu, ou faço eu tudo a eito!", resolvi fazer uma mini-feira da Ladra:

 

http://rapidshare.com/files/404341837/Produtos_para_venda.xlsx.html

 

No link acima encontram a lista. Ainda não está completa, faltam os jogosda Xbox360 que não me quero desfazer... mas sempre que houverem actualizações, colocarei aqui.

 

Se quiserem alguma coisa, contactem-me via email ( ricfernandes@netcabo.pt ). Atenção só faço entregas para Portugal (incluí ilhas) e posso fazer em mão, correio registado por transferência bancária, ou contra entrega.

 

Um abraço a todos e darei notícias para breve!

 

Ricardo

publicado por Ricardo Fernandes às 19:49 link do post
04 de Junho de 2010

De tempos a tempos, as gentes dos cinemas resolvem reinventar temas e contar novas histórias sobre lendas já conhecidas. Robin Hood é um dos folclores ingleses que mais azo deu, a vários filmes e depois do Príncipe dos Ladrões, com Kevin Costner e Morgan Freeman, agora foi a vez de ser reinventando por Ridley Scott com Russel Crowe e Cate Blanchett a encabeçarem o novo fôlego desta mítica lenda.

 

Ao contrário do filme de Costner, que conseguiu condensar a história do regresso das cruzadas, o ficar proscrito e finalmente o nobre ladrão que derrota o temível Xerife de Nothingham, aqui é contada a história de como ele se torna o Príncipe dos Ladrões. Como refere o próprio filme, acaba quando a lenda começa.

 

Como seria de esperar, nem todos os personagens que conhecemos da história de Robin Hood, estão presentes e os que estão, quase não se fazem notar, porque o filme centra-se em temáticas que normalmente não são exploradas. A guerra de Ricardo, Coração de Leão, o regresso a Inglaterra e até uma cabala francesa, para conquistar o país, são os pontos onde o filme assenta e onde as mais de duas horas de filme, se arrastam em batalhas e batalhas.

 

Mas tudo é feito com primor, as lutas estão muito bem feitas, os cenários magníficos e tanto Crowe como Blanchett, nunca nos brindariam com uma má actuação, mas também não brilham. Designado como temível arqueiro, Robin nem uma mão cheia de vezes pega no arco. A sua história de amor por Marion é muito fraca, pois o ritmo de guerra, não permite a exploração desse amor. Acabamos por não saber bem como é que se apaixonam. Até os meninos órfãos da floresta, são mal explorados na história e desta vez o velho inimigo Xerife, quase que não dá um ar de sua graça.

 

A luta pela Liberdade, que acabou por ser bem explorada em Gladiador aqui não resulta. Nunca se chega a saber muito bem, que carta de cidadania é apresentada ao novo Rei João (será um protótipo das cartas de foral?) e após ter sido comandante dos exércitos do Rei, não se compreende como é que se torna proscrito com tamanha facilidade. Tem bons momentos, mas a narrativa falha algumas vezes e depois de um Robin Hood com um mouro, acho que ainda não foi desta que tivemos um filme memorável.

publicado por Ricardo Fernandes às 11:28 link do post
tags: ,
21 de Maio de 2010

O Rooney é o maior! É só o que tenho a dizer!

publicado por Ricardo Fernandes às 11:23 link do post
tags: ,
21 de Maio de 2010

 

 

 

O dia 8 de Junho está aí a chegar e com isso chega também a minha lista de prendas! Conforme for querendo coisas e até ao dia maravilhoso em que fará 30 anos que vim ao mundo, vou metendo para aqui algumas imagens e desejos.

 

Já o tinha feito nos gira-discos e no vinil, agora quero uma almofada nova. Quero um iCushion (Ou iAlmofada)! Não tem qualquer utilidade prática... mas pronto é um desejo! Já vivo e respiro o iPhone durante o dia, porque não à noite também?

 

Todas as informações e imagens retiradas daqui: http://www.iphoneportugal.com/durma-com-um-iphone-gigante/

 

publicado por Ricardo Fernandes às 10:17 link do post
21 de Maio de 2010

Afinal parece que ninguém morreu e os media deste país, apenas... se precipitaram a enviar as informações cá para fora sem terem confirmações do quer que fosse.

 

É de estranhar porque foram realmente vários.

publicado por Ricardo Fernandes às 10:15 link do post
tags:
20 de Maio de 2010

Já que ando numa de futebol, venho falar agora de um tema recorrente na blogosfera Benfiquista: o manto sagrado que os jogadores aka Camisola oficial do Benfica, envergam.

 

Desde que a Vodafone deixou de patrocinar o clube e o contracto publicitário passou a ser o da PT Comunicações, que o Benfica não tem um patrocínio que esteja de acordo com os estatutos do clube e das leis com cores permitidas em símbolos heráldicos.

 

A cor azul do símbolo da TMN, para além de ficar mal no equipamento representa uma clara violação dos estatutos. Eu já nem vou falar do símbolo alusivo à Taça de Campeões Europeus, porque isso só de si é uma aberração, porém o símbolo da TMN é mais preocupante. No vídeo que irão ver a seguir está uma clara demonstração como os grandes clubes europeus impõem que os logos dos seus patrocinadores sejam modificados de acordo com as cores utilizadas pelos clubes. Eles dão vários exemplos. O do Manchester United até é um caso semelhante: a AIG é um símbolo azul, porém na camisola do Manchester apenas figura o Branco do Lettering, sem fundo.

 

Toda esta informação foi retirada do blog Catenaccio, onde sigo várias notícias sobre o melhor e maior clube do mundo: http://catenacc10.blogspot.com/

 

publicado por Ricardo Fernandes às 14:24 link do post
tags:
20 de Maio de 2010

Acabada a quinta temporada, muito mistérios se criaram à volta desta série, já icónica, que supostamente deveria ter acabado este ano.

 

As ultimas notícias referem:

 

SUPERNATURAL: Season six will be a season of mystery and shadow. Heaven and Hell have been left in complete disarray since the apocalyptic events of season five. And now, monsters, angels and demons roam across a lawless and chaotic landscape. And so Dean Winchester, who has retired from hunting and sworn never to return, finds himself being pulled back into his old life – pulled back by none other than Sam Winchester, who has escaped from Hell.  The two reunite to beat back the rising tide of creatures and demon-spawn, but they quickly realize that neither are who they used to be, their relationship isn’t what it used to be, and that nothing is what it seems.

 

A ver vamos, sobre o que vem aí. Mais info em: http://ausiellofiles.ew.com/2010/05/20/spoilers-gossip-girl-vamp-diaries-smallville/

publicado por Ricardo Fernandes às 14:00 link do post
tags:
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
subscrever feeds
Posts mais comentados
23 comentários
22 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
19 comentários
17 comentários
16 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
2016...Para Luz eu te ordeno!..Para luz eu te Orde...
De mora muito parece que n gosta de ganhar dinheir...
Postagem de 2006 comentários 2012 e ja no final de...
To esperando até hoje!! kkk..
cara o jason é o maior maniaco dos filmes o filme ...
Eu me apaixonei com ele
2014 E NADA DE CONSTANTINE 2 ???????????
Gosto muito deste filme não só gosto...
Ele é um boneco muito ruin. Apesa tamb&eacu...
Deculpa mas é velho mesmo
blogs SAPO